Maria Madalena - Parte 2

Maria Madalena - Parte 2

Ela O seguiu (Marcos 15: 41)

Quando Jesus passou pelas cidades e aldeias da Galiléia, grandes multidões O seguiram. Eles queriam ser curados; eles queriam ver milagres e maravilhas ou qualquer coisa extraordinária.

Mas Maria Madalena foi atraída para a pessoa de seu Salvador. Ela queria estar com Ele. Ela mesma o desejava. Ele cumpriu os desejos dela. Pela manhã, seu primeiro pensamento foi: Como posso me aproximar o máximo possível Dele para vê-lo e ouvi-lo? E à noite ela não conseguia  por um fim, queria usufruir  sempre de novo o que ela havia experimentado com Ele.

Esta mulher nos ensina seguir Jesus olhando a partir de seu lado glorioso. Muitas vezes pensamos mais sobre as condições e as conseqüências de o seguir: a abnegação (Mt 16:24), o custo da obediência, o desprezo e o ódio do mundo (Jo 15:20). Mas Maria seguiu Jesus a fim de estar com Ele. O que ela recebeu ali a levou além de toda a resistência.

O que o impede de estar com o próprio Senhor neste exato momento? Busque diariamente, cada vez mais e mais encontrar tais momentos. Que benéfico é para a alma! Aqui seus problemas serão resolvidos por si só!

Ela O serviu (Marcos 15: 41; Lucas 8:3)

Como Maria Madalena decidiu servir ao Senhor Jesus? Ele a tinha pedido para fazer isso? Será que Ele havia dito: "Maria, minhas sandálias estão gastas, meu vestido está gasto, meus discípulos e eu não temos nada para comer, a tesouraria está vazia, você não teria ...?

Oh não, ela decidiu por si mesma e o fez. Se uma esponja se encharcou, ela ira soltar água ao menor toque. Pode o crente estar verdadeiramente perto do Senhor sem absorver as riquezas de Seu amor? Não é então uma suave pressão do Espírito suficiente para fazer tal coração funcionar? Maria Madalena não precisou esperar por uma ordem como uma criada. Ela procurou servi-lo. Ele a exortou a fazer o que lhe agradava.

Sim, ela O serviu que sinal emoção, devoção e humildade para com ele, que alegremente registra e divinamente recompensa todos os movimentos de afeto por Ele, todas as atitudes que se fazem por Sua causa (2 Cor. 5:10). - Quão triste e feia é toda atividade cristã, todo serviço que de alguma forma tem a propria pessoa como motivo e objeto!

Com o que Maria poderia servi-lo? Com seus pertences, com o que ela tinha. Talvez não fosse muito, do ponto de vista de uma pessoa que está acostumada a escrever volumes espessos do trabalho da vida de "grandes homens", seria algo de valor insuficiente para se mencionar. Mas Deus achou importante o suficiente para  escrever sobre isso em seu livro, assim como sobre as duas pequenas moedas da pobre viúva (Lucas 21:2). E qual livro subsistir essa terra?

 

Ela O viu na cruz (Marcos 15:40 - 41; Lucas 23:49)

Onde se encontrava Maria Madalena quando Jesus foi pendurado na cruz? Entre a multidão curiosa que se reuniu para este "espetáculo"? Com certeza não. Ela estava " olhando de longe", entre o grupo de mulheres crentes que tinham vindo com Ele da Galileia para Jerusalém.

Ela "olhava". Seu coração apertava ao ver seu mestre em tal vergonha, em agonia insuportável e na mais profunda angústia, abandonado indefeso aos cruéis e escarnecedores tormentos. Por que Deus não interveio?

O que ela entendeu sobre o que estava acontecendo? Ela não podia acreditar no que estava acontecendo. Mas como era bom que ela também estivesse ali perto de seu amado mestre! Ali os sofrimentos de Cristo na cruz foram gravados no fundo de seu coração para todo o sempre. E quando mais tarde, através do ministério do Espírito Santo na igreja, foi explicado o significado do sofrimento e do trabalho do Senhor, como cada detalhe do evento que ela testemunhou deve ter começado a brilhar: Como então, em sua alma, a grandeza da pessoa de Jesus deve ter crescido até o infinito! Como ela começou a se maravilhar com a altura, profundidade, largura e comprimento de Seu amor e a extensão de Sua glória!

Também aqueles que foram salvos ha não muito tempo, não se deixem levar pela falta de entendimento de pensar bastante sobre o que aconteceu na cruz. Ali ele está diante do tesouro mais rico das mais preciosas e mais altas revelações do Pai e do Filho; ali ele também reconhece a perfeição de sua salvação em Cristo como em nenhum outro lugar. Sim, vamos nos elevar muito em espírito para o Gólgota! O Senhor não instituiu a Ceia do Senhor com este fim, com a “exortação – ordem” a todos os crentes: "Fazei isto em memória de mim"?

Ela queria ungir-lO (Marcos 16:1)

Somente a outra Maria, Maria de Betânia, que havia recebido Seus ensinamentos aos pés do Senhor, O ungiu no momento certo. Todos os outros que queriam embalsamá-lo para o enterro após sua morte chegaram tarde demais, inclusive Maria Madalena.

Isso mostra falta de entendimento de sua parte. Mas será que seus potes de ungüento, que continham as pomadas de especiarias preparadas para Jesus, não falavam também a mesma língua do óleo de unção derramado pela outra Maria em João 12 de apreço por toda a doçura e beleza que esta mulher havia visto no caminho da fé nEle? De gratidão e adoração? Seu coração estava igualmente voltado para Ele, só que seu conhecimento ainda era pequeno.

Se qualquer um do povo de Deus do Antigo Testamento tivesse no coração oferecer uma oferta queimada a Deus, mas fosse pobre demais para sacrificar um boi ou um pequeno animal, poderia ser uma pomba pequena sem mancha. Este presente era também "um holocausto de cheiro agradável ao Senhor" (Lv 3:17). E se seu entendimento do sacrifício do Senhor e da glória de Sua pessoa, que você tirou da Palavra de Deus, também ainda é fraco, sua adoração, que consiste em orar e cantar junto, é no entanto uma doce fragrância para Ele. Se ao menos, como Maria Madalena, você estiver preocupado com Sua pessoa! Você quer pensar sobre isso quando for à Adoração? Como seu coração estará cheio quando você voltar para casa! 

Maria Madalena - Parte 1